JoomlaTemplates.me by Discount Bluehost

FESTAS JUNINAS

Publicado: Terça, 23 Junho 2015

Dentre as muitas alegrias e diversões na vida do brasileiro, destacam-se neste mês de junho as conhecidas e tradicionais festas juninas pelo país. Apesar dos problemas políticos, econômicos e sociais, tipo corrupção, inflação e violência, o espírito contagiante de regozijo e animação deste período toma conta dos arraiais com suas mais diversas expressões culturais. Com efeito, a apresentação das quadrilhas caipiras e dos bois – sejam eles boi-bumbá, sejam eles bumba meu boi –, a presença das barraquinhas com comidas típicas, os enfeites com bandeirinhas, enfim, o cenário multicolor e festivo de muita brincadeira e entretenimento comprovam-no.

Além do mais, constata-se que durante o período das festas juninas São João, Santo Antônio e São Pedro são popularmente muito lembrados. Descobre-se que estes três santos vividos em épocas e contextos diferentes fazem parte da história e da alegria destas comemorações festivas nos contextos atuais.

 

Por que São João? Segundo o parecer histórico, o termo junino ou vem de João ou vem de junho. Diz-se que inicialmente as festas juninas eram chamadas de festas joaninas. Pois bem, se junino vem de João ou não, de junho ou não, o certo é que no mês de junho, 24, se comemora São João.

Por que Santo Antônio? Mais do que buscar uma motivação, sabe-se que em 13 de junho Santo Antônio, conhecido como o santo casamenteiro, é homenageado. A ele, muitas mulheres solteiras recorrem-lhe em busca de um namorado. Depois, padre Antônio Vieira, em um sermão de 1663 realizado no Maranhão, disse: “Se vos adoece o filho, Santo Antônio; se vos foge um escravo, Santo Antônio; se requereis o despacho, Santo Antônio; se aguardais a sentença, Santo Antônio; se perdeis a menor miudeza de vossa casa, Santo Antônio; e, talvez se quereis os bens alheios, Santo Antônio”. Pois bem, se santo Antônio atende ou não os pedidos que lhe são feitos, o certo é que a festa do santo português em pleno mês junino é motivo de muita alegria e esperança popular.

E por que São Pedro? Talvez porque, sendo de origem humilde, pois era pescador, este apóstolo de Cristo nos cative pela sua humildade e simplicidade. Não sem razão, em 29 de junho, festeja-se São Pedro com procissões marítimas, com queima de fogos e, como ocorre nos interiores, com a brincadeira do pau-de-sebo. Depois, a simplicidade e a humildade popular atribui a ele a nossa entrada no céu, porque é ele que abre as portas, e a responsabilidade de fazer chover. E ainda, ao redor das fogueiras de São Pedro, costuma-se selar o compromisso de sermos “cumpadi” ou “cumadi”.

Pelo exposto, pode-se dizer que a figura dos três santos populares no mês de junho faz com que as festas juninas rimem com diversão e devoção. 

Em são Luís, os bois da ilha e dos arredores maranhenses tomam conta das festas juninas ao sabor dos vários ritmos dos tambores e matracas. É a cultura viva e expressiva do Maranhão presente na memória de um povo com sua riqueza, brilho e beleza. A chegada do mês de junho marca o período das apresentações animadas desses bois. E cada boi maranhense, por sua vez, com seu estilo próprio, enriquece a cultura brasileira e se torna para o mundo expressão de um povo que, não obstante os declives político-sociais, se sente sempre animado e entusiasmado em comunicar o espírito folclórico das festas juninas.

Oh, meu Santo Antônio! Oh, meu São João! Oh, meu São Pedro! Santos populares e juninos! Intercedei pelos brincantes para que sob a vossa proteção dancem e pulem, brinquem e se divirtam, rezem e louvem, intercedam e creiam! Amém.

Frei José Luís Leitão OFM-Cap

 

Acessos: 939